Suspeito envolvido na morte de soldador dado como desaparecido em Curitiba é preso.

Um homem, de 26 anos, foi preso preventivamente por suspeita de envolvimento na morte do soldador Rogério da Costa Fonseca, de 38 anos, que havia sido dado como desaparecido em dezembro de 2019, em Curitiba. O suspeito foi preso na manhã desta quinta-feira (10), em Castro, na região Central do Paraná.

Corpo encontrado na CIC é de soldador desaparecido há 25 dias

Além deste, outras duas pessoas também já foram capturadas pela polícia. Entre eles, um homem de 27 anos que está preso desde fevereiro deste ano e um adolescente. De acordo com a polícia, o menor de idade teve os atos infracionais apurados pela Delegacia do Adolescente da Polícia Civil do Paraná.

Rogério, que estava desaparecido desde 14 de dezembro de 2019, teria ido a uma festa da empresa onde trabalhava, no bairro Umbará, em Curitiba, e não deu mais notícias.

Soldador não retorna para casa após festa da ‘firma’ e deixa família desesperada
No dia 9 de janeiro, em uma quinta-feira, o corpo dele foi encontrado boiando em um córrego na rua João Chede, na Cidade Industrial de Curitiba. Quem o encontrou foi um homem que teria ido às proximidades para urinar.

Homem vai urinar em região de matagal e faz achado macabro em Curitiba
Investigação

Durantes as investigações, a Polícia Civil descobriu que a vítima teria ido até o bairro Tatuquara para comprar drogas. No local, o soldador teria se desentendido com o suspeito que seria dono do ponto de tráfico. Na sequência, teria sido arrastado para dentro de um terreno e espancado pelo suspeito e outros dois jovens, sendo um deles o adolescente.

Após as agressões, o suspeito, que está preso desde fevereiro, teria disparado um tiro de arma de fogo na cabeça de Rogério. Os três envolvidos teriam colocado o corpo dele em um carro e jogado no córrego onde foi encontrado.

A motocicleta da vítima foi queimada no dia 18 de dezembro de 2019, no bairro Umbará.

Os dois presos foram indiciados por homicídio qualificado e o adolescente foi encaminhado ao Centro de Socioeducação (Cense).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *