Proprietário de loja de veículos que teria aplicado golpes de mais de R$ 870 mil.

O proprietário de uma loja de veículos localizada no bairro Batel, em Curitiba, foi preso por suspeita de aplicar golpes em pessoas que entregavam seus carros para revenda ao estabelecimento comercial. O prejuízo causado às vítimas é estimado em mais de R$ 870 mil.

De acordo com a Polícia Civil, o homem induzia as pessoas a realizarem a transferência dos veículos, acreditando que estavam concluindo a venda, porém, elas nunca receberam o pagamento integral.

As 23 vítimas já identificadas relataram que foram abordadas por funcionários do suspeito nas redes sociais, após anunciarem seus carros para a venda.

Segundo os testemunhos, elas eram informadas de que existia um comprador interessado no veículo, mas para que a venda fosse concretizada era preciso que levassem o carro até a loja, onde seria realizada uma vistoria. Já no estabelecimento, elas eram induzidas a assinar um contrato de intermediação de venda e uma procuração para transferência em cartório.

Na sequência, as vítimas recebiam um valor simbólico como sinal e a promessa de que o restante do valor seria pago em 15 dias, entretanto, todas relataram que isso não ocorreu.

“Ele transferia esses veículos a terceiros sem realizar o pagamento integral do que havia sido combinado em contrato”, explicou a delegada Daniela Antunes Andrade. Ela ainda completou que após as investigações sobre sete vítimas, um pedido de prisão foi expedido contra a o suspeito, mas ele já havia fechado a loja de veículos e não foi localizado: “Mas no final da semana passada, soubemos que ele estava de volta em Curitiba, então, pudemos lograr êxito em prendê-lo”.

Conforme as investigações, a loja foi inaugurada em julho de 2020.

Os veículos das vítimas foram bloqueados administrativamente junto ao Departamento de Trânsito do Paraná, para evitar novas transferências e que outras pessoas de boa fé sejam envolvidas no crime.

O mandado de prisão foi cumprido na quarta-feira (20). O homem foi indiciado por estelionato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *