Número de gravidez na adolescência diminui no Paraná

Na Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, que teve inicio nesta segunda-feira (1º), a Secretária de Estado da Saúde (Sesa) destaca a redução no número de gestações em adolescentes (10 a 19 anos) no Paraná.

Em 2018 o percentual no número de adolescentes grávidas no Estado ficou em 13,2%. Uma das prioridades do Plano Estadual de Saúde (PES 2020/2023) é alcançar a meta de 12,9%, número que já foi superado em 2020, obtendo 11,3% no consolidado do ano.

A Sesa enfatiza a importância e orienta sobre a disseminação de informações e medidas preventivas e educativas que contribuem para que ocorra a diminuição dos casos.

“A adolescência compreende uma fase extremamente importante para a formação do ser humano, é um período de amadurecimento e desenvolvimento pessoal. Precisamos levar aos adolescentes a conscientização sobre a gravidez na adolescência, esta é uma ação importantíssima, uma vez que a gravidez precoce envolve muito mais do que questões físicas, mas também emocionais e sociais”, afirma o secretário de Estado da Saúde Beto Preto.

De acordo com a diretora de Vigilância e Atenção a Saúde, Maria Goretti David Lopes, para abordar essa temática integralmente é necessário que haja a articulação e atuação de diversas políticas públicas.

“Um dos fatores mais importantes de prevenção é a educação, peça chave para a saúde integral, tanto no âmbito individual quanto coletivo. Munir os adolescentes de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores irão capacitá-los para cuidar de sua saúde, bem-estar e dignidade, bem como para avaliar suas escolhas e como estas afetam as suas vidas”, disse.

DADOS – A Sesa por meio da Divisão de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente, tem alcançado uma redução significativa da gravidez na adolescência. De acordo com os dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), em 2019, dos 153.482 nascidos vivos no estado, 18.883 foram de mães com menos de 20 anos, o que representa 12,3% do total de nascidos vivos do estado. Destes 714 (0,5%) são de mães na faixa etária compreendida entre 10 a 14 anos e 18.169 (11,8%) de 15 a 19 anos.

Destaca-se que, de 2015 a 2019, houve uma redução de 41,7% nascidos vivos no grupo etário compreendido de mães entre 10 a 19 anos. Além disso, os dados preliminares de 2020 apontam a redução de cerca de 16% comparado com 2019.

A Sesa fortalece o compromisso de trabalho contínuo intersetorial e interinstitucional diante desta relevante temática, que se concretiza em instâncias colegiadas, tais como o Conselho Estadual de Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA), Conselho Estadual de Direitos da Mulher (CEDM) e Conselho Estadual de Saúde (CES).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *