Sem pagamento, casa de repouso ‘despeja’ idoso e esposa pede ajuda: “Não tenho condições de cuidar”

Com o marido internado há mais de seis anos em uma casa de repouso no bairro Santa Felicidade, em Curitiba, a historiadora Narli Resende passa por um momento delicado. Após um desacerto financeiro, a instituição levou o marido de Narli de volta para a casa dela, no bairro Vista Alegre, nesta quinta-feira (4).

Porém, a historiadora não pode recebê-lo neste momento. Ela é cadeirante, passa por dificuldades financeiras e não tem condições de atender às necessidades do idoso. “Eu tive uma perda financeira e isso gerou um problema de atraso nos pagamentos. Fui surpreendida por essa diretora da casa que disse que eu tinha que pagar tudo e que ia tirar meu marido de lá. Ficou uma situação muito difícil e eu sou uma pessoa muito limitada pelos meus problemas de saúde. O que eu quero da instituição é que fiquem com meu marido até a gente equacionar para onde ele vai”, explicou ela.

Narli também tem um filho especial que vive em uma casa de apoio. O processo de transferência do marido para um outro local já estaria em andamento na Prefeitura de Curitiba.

Há um procedimento que a prefeitura tem que fazer e ele não é, digamos assim, instantâneo. A única coisa que eu quero é que meu marido seja bem cuidado. Eu cuidei dele até quando pude, mas não tenho mais condições. Ele é grau três de dependência e precisa de uma casa especializada”, disse Narli, emocionada

OUÇA A RÁDIO AO VIVO
Banda B
Notícias » Cidades

Sem pagamento, casa de repouso ‘despeja’ idoso e esposa pede ajuda: “Não tenho condições de cuidar”
A proprietária da casa de repouso disse à Banda B que tentou contornar a situação, mas não consegue mais arcar com as despesas do idoso
Por Redação em 04 de fevereiro, 2021 as 20h32.




Com o marido internado há mais de seis anos em uma casa de repouso no bairro Santa Felicidade, em Curitiba, a historiadora Narli Resende passa por um momento delicado. Após um desacerto financeiro, a instituição levou o marido de Narli de volta para a casa dela, no bairro Vista Alegre, nesta quinta-feira (4).

×

Foto: Marcelo Borges/Banda B
Porém, a historiadora não pode recebê-lo neste momento. Ela é cadeirante, passa por dificuldades financeiras e não tem condições de atender às necessidades do idoso. “Eu tive uma perda financeira e isso gerou um problema de atraso nos pagamentos. Fui surpreendida por essa diretora da casa que disse que eu tinha que pagar tudo e que ia tirar meu marido de lá. Ficou uma situação muito difícil e eu sou uma pessoa muito limitada pelos meus problemas de saúde. O que eu quero da instituição é que fiquem com meu marido até a gente equacionar para onde ele vai”, explicou ela.


Narli também tem um filho especial que vive em uma casa de apoio. O processo de transferência do marido para um outro local já estaria em andamento na Prefeitura de Curitiba.

Primis Player Placeholder

“Há um procedimento que a prefeitura tem que fazer e ele não é, digamos assim, instantâneo. A única coisa que eu quero é que meu marido seja bem cuidado. Eu cuidei dele até quando pude, mas não tenho mais condições. Ele é grau três de dependência e precisa de uma casa especializada”, disse Narli, emocionada.

A reportagem procurou a Prefeitura de Curitiba e aguarda retorno para mais informações sobre o processo de transferência do idoso.

Casa de repouso
A proprietária da casa de repouso, Danielle, contou à Banda B que por conta das dívidas, um prazo foi dado à Narli para que fosse buscar o marido na instituição. Os valores pagos pelo serviço já teriam sido reduzidos no ano passado. “Em abril de 2020, ela teve um problema financeiro, a gente refez todas as contas do Cláudio e colocamos um valor abaixo do mercado. A empresa assumiu algumas despesas para ajudar ela naquele momento financeiro”, afirmou Danielle.

Após novas mensalidades não serem pagas, a dívida chegou a ser parcelada em 10 vezes, mas a iniciativa não teria resolvido as pendências, segundo a dona da instituição. “Em janeiro, eu comuniquei ela de que iríamos rescindir o contrato, que não dava mais. Eu disse para o Cláudio hoje que eu fiz de tudo pra ele ficar com a gente, mas não dá mais, não posso ficar arcando com as despesas dele, como fralda, dieta, equipe e remédio. Antes de tomar essa decisão, eu informei a FAS e o Ministério Público (MP)”, revelou a proprietária da casa.

Ainda de acordo com Danielle, Narli recebeu o marido apenas após uma promotora do MP ter sido informada da situação e indicar que ela poderia responder pelo crime de abandono de incapaz caso se recusasse a abrir as portas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *