Prefeitura de Matinhos vai decretar lockdown de 14 dias após aumento de casos de covid-19.

O Prefeito de Matinhos, Zé da Ecler, informou à TVCI na manhã desta quarta-feira (24), sobre o decreto de lockdown para a cidade. A medida restritiva passa a valer a partir da sexta-feira (26) até o dia 10 de março

A decisão foi tomada devido ao aumento expressivo no número de casos dos infectados com o coronavírus, nas últimas semanas. Segundo informações do Hospital Regional do Litora, os leitos da Unidade de Terapia Intensa (UTI) destinado para tratamento da Covid-19 estão com em 100% de uso, e há registro de pacientes aguardando vaga para transferência.

Em entrevista para TVCI, o Prfeito explica que tomou esta decisão já que a cidade enfrenta o pico extremo da pandemia neste momento. Além disso, o crescente número de óbitos preocupa a prefeitura: “Nos últimos dois meses, o número de mortos por Covid-19, foi proporcionalmente maior que em todo o ano passado, na nossa cidade”.

De acordo com o Prefeito, todo o efetivo estará nas ruas para fiscalizar a população. Para os próximos dias, o governo municipal deve anunciar medidas mais rígidas de prevenção ao vírus:

“VAI DOER UM POUQUINHO, MAIS VAMOS TENTAR CONTINUAR VIVOS”, (…) “14 DIAS VÃO PASSAR RAPIDINHO”

A medida foi definida em reunião na sede da Prefeitura e comunicada aos demais prefeitos do Litoral, que estavam em reunião virtual. Os prefeitos vão divulgar um documento conjunto sobre a situação da covid-19 na região e as medidas que poderão tomar.

Estarão em funcionamento apenas os serviços essenciais (supermercados, farmácias e postos de combustíveis). A orla e o calçadão ficarão fechados e as pessoas só poderão sair de casa em caso de necessidade comprovada.

A ACIMA (Associação Comercial Empresarial de Matinhos) emitiu uma nota, em que confirmou sua participação na reunião e reforça o pedido aos comerciantes para que sigam as recomendações a OMS e atendam as solicitações da fiscalização.

Na nota, a entidade pede a “ajuda e união de todos”. Confira a íntegra do documento:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *